Tensão marca funeral de jornalista cristã morta com tiro em Jerusalém

Shireen Abu Aqleh, do canal Al Jazeera, foi atingida enquanto cobria operação militar

Tensão marca funeral de jornalista cristã morta com tiro em Jerusalém
Tensão marca funeral de jornalista cristã morta com tiro em Jerusalém / Foto: EFE/EPA/MOHAMMED SABER
Tensão marca funeral de jornalista cristã morta com tiro em Jerusalém
Tensão marca funeral de jornalista cristã morta com tiro em Jerusalém / Foto: EFE/EPA/MOHAMMED SABER
Tensão marca funeral de jornalista cristã morta com tiro em Jerusalém
Tensão marca funeral de jornalista cristã morta com tiro em Jerusalém / Foto: EFE/EPA/MOHAMMED SABER
  • 1 de 10

Acontece nesta nesta sexta-feira (13), sob tensões, o funeral da repórter palestina-americana Shireen Abu Aqleh, morta nesta quarta (11), enquanto cobria uma operação do exército israelense no campo de refugiados palestinos de Jenin, na Cisjordânia.

Antes do início ao funeral, centenas de pessoas se reuniram em frente ao hospital Saint Joseph, em Jerusalém, para acompanhar, em um trajeto a pé, a ida do caixão de Abu Akleh para a Igreja Ortodoxa Grega. A polícia israelense acompanhou o cortejo e bloqueios policiais foram montados na área.

Após conflitos com a população, a polícia decidiu que o transporte seria feito de carro. O corpo foi levado de volta ao hospital e depois transportado de carro, segundo a Al Jazeera.

Depois de velado, o corpo da jornalista, que era cristã e nascida em Jerusalém Leste, será sepultado próximo ao local onde seus pais estão enterrados, em um cemitério na área da Cidade Antiga de Jerusalém.

As circunstâncias da morte de Shireen Abu Aqleh seguem obscuras. O canal Al Jazeera acusa as forças de Israel de ser a responsável pelos disparos que mataram a repórter “deliberadamente e a sangue frio”. O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, por outro lado, nega que o exército tenha aberto fogo contra os profissionais de imprensa e diz que a correspondente provavelmente foi atingida por tiros palestinos.

Uma primeira autópsia foi realizada na Cisjordânia logo após sua morte, mas nenhuma conclusão final foi divulgada. A morte da repórter provocou uma onda de comoção nos territórios palestinos, onde suas reportagens são acompanhadas há mais de duas décadas.

Monique Mello – 13/05/2022 12h13 | atualizado em 13/05/2022 13h01-Pleno.News

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.