Secretário de Saúde era líder de organização criminosa instalada no GDF, diz MPDFT

Nos autos da Operação “Falso Negativo”, o secretário de Saúde do DF, Francisco de Araújo Filho, é apontado pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) como chefe de uma organização criminosa com poder letal.

Preso preventivamente nesta manhã (25/08), em seu apartamento no Noroeste, por decisão do desembargador Humberto Adjuto Ulhôa, Francisco é descrito como o responsável por todas as decisões no suposto esquema de corrupção para compras de testes para covid-19. “É ele quem decide qual empresa será contratada; os prazos exíguos para apresentação de propostas; e até mesmo o quantitativo de testes a serem adquiridos”, descreve.

Segundo os promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e a Procuradoria-geral de Justiça do DF, o secretário, afastado hoje pelo governador Ibaneis Rocha (MDB), utiliza as facilidades da nova legislação que garante mais agilidade na compra de produtos e serviços do combate à Covid-19 para fraudar e direcionar para empresas parceiras os contratos.

De acordo com as investigações, a a cadeia de comando obedece rigorosamente à sua vontade, especialmente quando há determinação quanto à quantidade de testes a serem adquiridos e os prazos que devem ser concedidos nas licitações.

Loja de brinquedos 

Francisco Araújo, segundo o Ministério Público, determinou que a empresa Luna Park Brinquedos fosse contratada pela Secretaria de Saúde apesar de ter oferecido o maior valor por unidade de teste na dispensa de licitação, a sua documentação tenha sido oferecida fora do prazo e o parecer inicial relativo à sua proposta tenha sido pela rejeição.

Ele também teve, de acordo com as investigações, protagonismo na contratação da empresa Biomega. O projeto básico para a contratação foi literalmente elaborado pela própria empresa, enviada ao Secretário e este o repassou aos seus subordinados para adequação e contratação pela Secretaria de Saúde do DF.

Para o MPDFT: “A deflagração da Operação Falso Negativo, em julho do corrente ano, descortinaram, senão a maior organização criminosa entranhada no atual Governo do Distrito Federal, certamente a mais letal, pois se alimenta da morte de inúmeras vítimas da nova espécie de coronavírus (SARS-COV-19).

ANA MARIA CAMPOS Publicado em 25/08/2020 –CB.Poder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguês do Brasil