DF - POSSE/JUSTIÇA/ANDRÉ MENDONÇA - POLÍTICA - O novo ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça (e), é abraçado pelo presidente Jair Bolsonaro ao ser empossado no cargo, em solenidade realizada no Salão Nobre do Palácio do Planalto, em Brasília, na tarde desta quarta-feira (29). Sem citar o ex-juiz Sérgio Moro diretamente, Mendonça deu vários recados ao antecessor e fez promessas de combate ao crime no primeiro discurso após tomar posse. O novo ministro também não poupou elogios ao presidente Jair Bolsonaro, a quem chamou de "profeta no combate à criminalidade". 29/04/2020 - Foto: EDU ANDRADE/FATOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Ignorada por Moro, Damares Alves celebra afinidade com ministro Mendonça e quer parceria

A mudança no titular do Ministério da Justiça foi bem recebida pela ministra Damares Alves, que celebrou a nomeação do pastor André Luiz Mendonça para o cargo, substituindo Sérgio Moro, com quem a chefe do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos não tinha afinidade.

Mendonça, descrito pelo presidente Jair Bolsonaro durante a cerimônia de posse, como o segundo mais “terrivelmente evangélico” do governo, apenas atrás da própria Damares na percepção do mandatário, seria uma pessoa de relação mais acessível aos colegas.

A jornalista Constança Rezende, do portal Uol, ouviu de pessoas próximas à ministra que ela tinha uma relação fria com o ex-ministro Sergio Moro, enquanto já possui afinidade com o ministro Mendonça, que já atuava junto ao governo como advogado-geral da União.

Agora, a dupla evangélica da Esplanada dos Ministérios já traçam planos de ações conjuntas voltadas ao combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes, assim como pretendem fortalecer medidas contra a violência doméstica.ANÚNCIO

Em seu discurso de posse no cargo, Mendonça destacou que estava à disposição dos colegas para atuar em conjunto e, dirigindo-se a Damares Alves, afirmou: “Vamos fazer operações conjuntas”.

Assim que possível, Damares Alves tem a intenção de apresentar um projeto de lei que prevê o agravamento de pena para crimes sexuais cometidos por líderes religiosos ou por pessoas próximas à vítima, como médicos e professores.

Essa proposta começou a ser ventilada em abril do ano passado, mas deve ganhar força com a chegada de Mendonça, já que segundo interlocutores, esse teria sido um dos pontos que causaram rusgas entre a ministra e Sergio Moro.

“Assessores lembram que Damares levou um grupo para se reunir com o ex-juiz para discutir o projeto, mas que este só o recebeu por alguns minutos. A situação teria deixado a ministra constrangida”, resumiu a jornalista Constança Rezende.

TIAGO CHAGAS Gospel Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguês do Brasil