Após ouvir o nome ‘Yeshua’ durante orações em casa, muçulmana entrega sua vida a Jesus

Depois da experiência com Deus, Mansitula Buliro procurou uma vizinha cristã contou o que houve e orou com ela, voltando sua fé a Jesus.

Mansitula Buliro contou que estava se preparando para as orações noturnas muçulmanas com seu marido no leste de Uganda na semana passada, quando teve uma visão de Cristo.

Com 45 anos e grávida de 13 semanas, ela disse que naquela noite de 13 de janeiro ouviu uma voz alta dizendo “Yeshua”, o nome Jesus em aramaico, em sua casa na vila de Obutete, Condado de Agule, no distrito de Pallisa.PUBLICIDADE

“Durante o processo, uma certa fraqueza entrou em meu corpo, e então eu vi uma luz vindo de cima e ouvi uma voz alta dizendo, ‘Yeshua’ repetidamente”, disse Buliro ao Morning Star News.

Seu marido, chocado, saiu da sala onde estava orando e perguntou o que havia de errado, ela disse.

“Eu narrei o que vi, além da voz”, disse Buliro. “Ele imediatamente pegou o Alcorão árabe e começou a expulsar o espírito maligno que ele pensava ter entrado em mim.”

Naquela mesma noite, ela conta que teve outra visão.

“À meia-noite, vi uma luz brilhante e um homem vestido com roupas brancas cruzando o rio vindo em minha direção, e Ele disse: ‘A paz esteja com você – hoje escolhi você para ser minha’”, relata a mulher, que é mãe de sete filhos.

Vida para Jesus

Na manhã seguinte, ela visitou sua vizinha cristã, cujo nome não foi divulgado por razões de segurança, e contou-lhe sobre as visões. A vizinha orou com ela e Buliro entregou sua vida a Jesus.

A notícia da conversão de Mansitula ao cristianismo logo chegou a seu marido muçulmano por meio de um vizinho que a ouviu orar, mencionando o nome de Jesus.

“Fiquei quieta”, disse Buliro. “Meu marido começou a me bater e chutar indiscriminadamente. Eu então caí. Ele entrou na casa e voltou com uma faca e começou a cortar minha boca, dizendo: ‘Allahu akbar, Allahu akbar, Allahu akbar [slogan jihadista “Deus é maior”], estou punindo você por falar sobre Yeshua em minha casa. Esta é uma casa muçulmana.’”

A mulher conta que enquanto seu marido gritava, seus dois filhos mais novos, de 6 e 8 anos, também começaram a gritar, e trabalhadores externos e vizinhos chegaram e pararam o ataque.

“Havia sangue por toda parte da minha boca”, disse Buliro. “Meus sogros chegaram, e na presença deles meu marido declarou o divórcio: ‘Hoje você não é mais minha esposa. Eu me divorciei de você. Saia da minha casa ou eu vou te matar. ‘”

Violência provocou aborto

Um vizinho a levou de motocicleta a um hospital próximo.

“Fui examinada e eles descobriram que meu bebê [na barriga] havia sido afetado e, depois de quatro dias, tive um aborto”, disse Buliro. “Agora é muito difícil me reunir com minha família. Agora sou cristão e decidi pela causa de Issa.”

Os outros cinco filhos de Buliro têm 10, 13, 17, 19 e 23 anos.

Fraca e exigindo mais cuidados médicos, Buliro está hospedada com cristãos em um local não revelado, disse uma fonte da área.

O ataque foi o mais recente de muitos casos de perseguição aos cristãos em Uganda que o Morning Star News documentou.

A constituição de Uganda e outras leis preveem a liberdade religiosa, incluindo o direito de propagar a própria fé e converter de uma fé para outra.

Os muçulmanos representam não mais que 12 por cento da população de Uganda, com altas concentrações nas áreas orientais do país.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO MORNING STAR NEWS ATUALIZADO: 28 JANEIRO DE 2021 AS 2:17

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguês do Brasil