Muçulmana desiste de suicídio após encontrar respostas sobre Jesus na internet

A jovem Islèm buscou incansavelmente respostas sobre Jesus, até que encontrou um grupo de cristãos que lhe apresentou a mensagem do Evangelho

Missão Portas Abertas conseguiu ter apenas um breve encontro com Islèm*. Sua família esperava que ela voltasse logo da escola. Como Islèm é uma mulher, na estrita sociedade islâmica de um país do norte da África, seria estranho ela ficar sozinha por muito tempo.

Mas há outra razão pela qual a estudante de 22 anos está assumindo um risco enquanto fala com a equipe da organização cristã internacional. É um motivo que ninguém conhece, nem mesmo a família dela. Ela se tornou seguidora de Jesus.

Enquanto conversava com a equipe, ela verificava constantemente o telefone para garantir que ainda tinha tempo de chegar em casa com segurança. A fé dela é um segredo, e se o pai descobrir, ela não tem certeza do que ele fará.

“Ele é um homem bom, mas de tempos em tempos ele mostra seu outro lado”, diz ela. “Você nunca sabe como ele reagirá quando eu disser que sou cristã. Para ele, isso é algo estranho e impossível de aceitar”.

Islèm conseguiu manter em segredo sua conversão desde que começou a seguir Jesus em novembro de 2013. Mas sua caminhada de fé não tem sido fácil.

Dizer “obrigada” a Deus

Ser seguidora de Jesus não era o que Islèm esperava quando era criança. Ela foi criada como quase todas as outras garotas de seu país: uma muçulmana boa e obediente.

“Foi uma surpresa para mim”, lembra ela. “Eu nunca tinha pensado antes em me tornar cristã ou em ser filha de Deus”.

Embora ela esteja claramente nervosa por conversar com a equipe da Portas Abertas, Islèm sente-se confortável o suficiente para contar sua história, principalmente porque seu pastor está sentado na mesma sala durante a conversa.

O pai de Islèm é um muçulmano conservador, e sua mãe segue o exemplo de seu marido, mas não tão cegamente a ponto de Islèm não poder confiar nela. De fato, a mãe de Islèm é uma das únicas pessoas que conhecem a fé de Islèm.

A moça fez a escolha de cobrir os cabelos, como toda garota islâmica devota faz, desde tenra idade. Ela acreditava em Alá e nas histórias contadas a ela, assim como toda criança criada em uma família religiosa. Mas dúvidas sobre sua fé islâmica chegaram a Islèm de maneiras inesperadas.

“Começou quando eu ainda estava na escola primária”, diz ela. “Eu estava assistindo a um filme em que havia uma mulher sempre orando a Jesus. Ela estava perguntando muitas coisas. Mas ela também se voltou a Deus para agradecê-Lo, porque Ele fez algo por ela. Isso foi um pouco estranho para mim, porque no Islã sempre pedimos a Alá que nos desse algo, mas nunca pensamos em agradecer a Ele por alguma coisa”.

Esse momento foi um catalisador para uma jornada que Islèm nunca poderia ter previsto.

“Minha busca começou naquele momento, apesar de meu pai ser um [muçulmano rigoroso e conservador]; ele estava sempre orando, sempre lendo o Alcorão e saindo de casa para servir a Alá”, lembra ela. “Usei o hijab, orei e li o Alcorão, mas naquela noite senti que algo estava diferente e tive preocupações. Fiz o que essa mulher [do filme] fez: orei e agradeci a Deus”.

E então, Islèm começou a procurar respostas.

“Eu pensei que poderia me tornar a primeira [cristã] no norte da África”, contou.

A pesquisa parece diferente agora do que nas gerações anteriores. No passado, Islèm poderia ter ido à biblioteca, em busca de livros ou textos que poderiam ajudá-la a refletir sobre suas perguntas. Ou talvez ela pedisse conselhos a um professor, ou a um imã, ou a outro adulto sábio.

Mas no caso de Islèm, uma adolescente normal? Ela usou seu smartphone.

“Pesquisei na internet, no Facebook e no YouTube”, diz ela. “Tentei encontrar pessoas falando sobre Jesus. Eu queria saber mais sobre o relacionamento entre Deus e eu. Eu não era cristã, mas acreditava que havia alguém chamado Jesus. Eu tentei descobrir quem era Jesus. Eu queria saber por que aquela mulher estava orando e agradecendo a Ele. Quem era Jesus, na verdade? Eu ainda não estava satisfeita com o que havia encontrado. Então, desisti de minha pesquisa depois de cerca de um mês”.

Mas ela não perdeu completamente sua curiosidade.

“Eu tinha amigos na Síria que eram cristãos e tentei me comunicar com eles; naquela época, era como uma luta entre eles e eu, porque eu era uma muçulmana tentando saber mais sobre Jesus”, diz Islèm. “Tentei contar a eles sobre o Islã, e isso causou confusão, e eles cortaram relações comigo. No Facebook, fiz algumas pesquisas também. Para dizer a verdade, naquela época pensei que não havia cristãos no norte da África. Eu pensei que era a primeira pessoa que poderia se tornar um cristã no norte da África”.

Na parte do norte da África, onde Islèm vive, há muito poucos cristãos, especialmente se comparados ao domínio cultural circundante do Islã. Revelar a fé pública em Jesus pode resultar em perseguição, desde discriminação a ataques violentos. Assim, na maioria dos países da região, os cristãos mantêm sua fé em segredo.

Procurando paz em meio ao caos

À medida que a busca de Islèm pela verdade continuava, sua vida em casa parecia estar desmoronando. Seus pais estavam brigando constantemente, o estresse das brigas de sua família e ser uma adolescente que tinha tanta incerteza cobraram seu preço.

“Em 2013, houve muitos problemas entre minha mãe e meu pai”, lembra ela. “Meu pai saiu muito de casa e não foi legal com minha mãe; ele era agressivo. Comecei a fumar e também me tornei violenta. Eu até tentei cometer suicídio, tomando uma overdose de remédios e cortando meus pulsos. Psicologicamente, eu estava uma bagunça; tudo em que eu conseguia pensar era morrer. Para ser sincero, não sei como sobrevivi. Eu não queria nada”.

Durante esse período tumultuado, ela foi internada no hospital com uma infecção renal, e os médicos a fizeram descansar e permanecer lá. Ela passou dois meses internada, sem ver sua família.

“Quando eu estava no hospital”, ela lembra, “havia uma janela no quarto e uma noite perguntei a Deus: ‘Por que eu? Você viu minha mãe me dando à luz e me deixou viver esta vida. Isso não é normal. Por que você me criou? Para eu me machucar, levar uma vida assim? Se você é Deus, mostre como você é glorioso, quem você é. Se você tem algo para mim, então me mostre ou eu vou morrer”.

“No dia seguinte, o médico disse que eu poderia sair do hospital. A primeira coisa que eu disse à minha mãe foi que ela deveria se divorciar, porque meu pai a tratava tão mal. Ela fez isso e, quando saí do hospital, nos mudamos para a casa dos meus avós. Tirei meu véu porque queria começar a vida de novo com minha mãe”, acrescentou.

E com esse novo começo, Islèm retomou sua busca pela verdade sobre Deus.

“A primeira coisa que fiz quando cheguei em casa foi usar meu smartphone e acessar o Facebook”, diz ela. “Enquanto eu estava na área de pesquisa, vi uma página chamada ‘Cristãos em [meu país]’. Foi estranho para mim. Eu cliquei e parei. Eu desliguei meu telefone. Liguei novamente e, novamente, no Facebook, a mesma página apareceu diante dos meus olhos. Talvez isso fosse alguma coisa, talvez fosse um sinal. Eu cliquei nele e enviei uma mensagem. Eu estava curiosa para saber o que aconteceria”.

No país onde Islèm vive, os cristãos hesitam em confiar em alguém imediatamente, mesmo que o novo contato afirme ser um crente, afinal poderia ser algum extremista infiltrado buscando informações.

“As pessoas com quem conversei nessa página [cristã] viram meu perfil, onde todas as minhas postagens estavam relacionadas ao Islã e pensavam que eu era do Estado Islâmico”, diz ela. “Mas depois eles entenderam; depois que me conectaram com o pastor, tudo correu bem”.

Lentamente, algumas pessoas do grupo do Facebook começaram a confiar nela o suficiente para conhecê-la pessoalmente.
“Um dia, uma garota [do grupo do Facebook] veio com seu irmão para me dar uma Bíblia; ela foi enviada pelo pastor ”, lembra Islèm. “Ela pensou que iria me dar a Bíblia e partir. Mas, para mim, era uma coisa nova encontrar-se com cristãos, então eu não queria que ela fosse embora. Eu fiz muitas perguntas. Eu queria saber se eles eram mais parecidos comigo porque eu era jovem, com apenas 15 anos naquele momento. Perguntei a essa garota para onde ela e o irmão estavam indo. Ela disse que eles estavam indo à igreja. Perguntei se poderia ir com eles e ela disse que sim”.

“Fui à igreja e foi ótimo. Fui ao grupo de estudo da Bíblia com eles e foi a primeira vez que li a Bíblia e o pastor, que estava explicando os versículos, me mostrou como tocar e segurar a Bíblia. Naquele dia, o pastor estava ensinando sobre João 14: 6: ‘Eu sou o caminho, a verdade e a vida’. Enquanto ele explicava a passagem, senti como se ele estivesse respondendo às perguntas que eu tinha quando estava no hospital. Nesse dia, 8 de novembro de 2013, tornei-me cristã. Conversei com o pastor e ele e sua esposa oraram por mim. Dois dias depois, no domingo, fui à igreja novamente. E dois anos depois, fui batizada em 15 de dezembro de 2015”.

Crescendo na fé, defendendo Cristo

No norte da África, onde Islèm vive, deixar o Islã é visto como uma traição à família e à tribo, de modo que qualquer expressão de fé deve ser feita em sigilo e isolamento. Os novos crentes geralmente sentem que são os únicos a seguir a Jesus.

Através de seu relacionamento com as pessoas de sua nova igreja e com a comunidade que encontrou com outros crentes, Islèm rapidamente cresceu em sua fé.

“Comecei a aprender mais sobre Jesus. Eu participei de vários grupos de estudo da Bíblia na igreja e tenho um relacionamento especial com a família do pastor e com sua esposa, com quem falo muito ”, diz Islèm. “Ela me dá conselhos e tenta me ajudar a crescer, mudar e aprender os princípios básicos do cristianismo. Há também os seminários de treinamento organizados pela igreja para os cristãos [apoiados pela Portas Abertas]. Também passo tempo em orações pessoais em casa e tempo lendo e tentando entender o que Deus espera de mim”.

Por meio dessas coisas, Deus está trabalhando poderosamente na vida de Islèm.

“Jesus é como oxigênio, porque sem oxigênio você não pode respirar”, diz ela. “Se Jesus não estivesse na minha vida, eu não estaria aqui hoje, não estaria viva. Eu não teria retomado meus estudos, não teria levado uma vida normal. Antes de conhecer Jesus, eu tinha duas opções: ou esta vida ou morrer. É como se eu fosse tirada da lata de lixo e passado por uma limpeza. Eu mudei e, apesar de algumas dificuldades na minha vida atual, não posso deixar Jesus. Não importa o que aconteça na minha vida, não posso deixar Jesus”.

Fonte: Guiame/ Com informações da Portas Abertas (EUA) – Foto: Shutterstock e Portas Abertas | 13/05/2020 – 13:15

*Nome fictício usado por motivos de segurança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese