Ativistas pró-aborto prometem protestos em igrejas no Dia das Mães, nos EUA

Defensores do aborto estão culpando a fé católica pela provável revogação da lei Roe vs. Wade pela Suprema Corte.

Fonte: Guiame, com informações de Fox NewsAtualizado: sexta-feira, 6 de maio de 2022 10:53

Vândalos pró-aborto pixaram a fachada de igreja católica na cidade de Boulder, na quarta (4). (Foto: Mark Haas).
Vândalos pró-aborto pixaram a fachada de igreja católica na cidade de Boulder, na quarta (4). (Foto: Mark Haas).

Após o vazamento de documentos da Suprema Corte dos Estados Unidos, indicando a provável anulação do direito ao aborto, ativistas pró-aborto prometeram protestar em frente a igrejas católicas no Dia das Mães, neste domingo. 

De acordo com a Fox News, a organização “Rise Up 4 Abortion Rights” organizou uma “semana de ação”, com início no dia 8 de maio, com “Ações Fora das Igrejas”. 

“Esta ação é solicitada por um coletivo de grupos de direitos das mulheres de língua espanhola e ativistas em todo o país, incluindo Bride’s March, Dominican Women’s Development Center, Ni Una Menus e Las 17”, afirma a programação do evento no site do grupo.

“Várias cidades estarão realizando protestos do lado de fora de igrejas proeminentes em suas cidades, que podem parecer um grupo de pessoas segurando cartazes vestindo roupas de Handmaid’s Tale, distribuindo panfletos do lado de fora para os frequentadores da igreja ou fazendo um die-in [ato onde manifestantes simulam estarem mortos]”.

Ativistas pró-aborto se vestem com roupas da série “Handmaids Tale” durante protestos, como uma forma de declarar que as leis pró-vida podem ser comparadas ao regime de estupro e maternidade forçada da obra de ficção.

Organizações que defendem o aborto estão culpando a fé católica pela provável revogação da lei Roe vs. Wade, que permite o aborto nos EUA. 

“Se você é um ‘católico por escolha’, ex-católico, de outra ou nenhuma fé, reconheça que seis católicos extremistas decidiram derrubar Roe”, afirmou o grupo pró-aborto “Ruth Sent Us”, no Twitter, na terça-feira (3).

A postagem, exibia um vídeo de ativistas aparentemente invadindo uma igreja e protestando. “Fique em uma igreja católica local no domingo, 8 de maio”, convocou o grupo.

Protestos pró-aborto na Suprema Corte


Ativistas pró-aborto convocaram protestos em frente a igreas católicas nos EUA. (Foto: Instagram/Rise Up 4 Abortion Rights).

Desde o vazamento dos documentos na segunda-feira (2), manifestantes a favor do aborto têm protestado em frente à Suprema Corte, em Whashington. Os ativistas também pediram protestos em frente às casas dos juízes da Corte, divulgando seus endereços nas redes sociais.

A polícia local aumentou a proteção no prédio da Suprema Corte e também enviou oficiais para guardarem as residências dos juízes, conforme a Fox News.

Na quarta-feira (4), vândalos pró-aborto pixaram a fachada de igreja católica na cidade de Boulder, no Colorado, com as frases  “proibição de nossos corpos” e “meu corpo, minha escolha”.

O presidente da organização católica de advocacia “Catholic Vote”, Brian Burch, condenou os protestos planejados pelos ativistas pró-aborto.  “O presidente Biden deve condenar imediata e forçosamente essas ameaças terroristas domésticas”, declarou Burch. 

“Os fanáticos anticatólicos estão tramando para intimidar e assediar os católicos em todo o país, junto com os juízes e suas famílias. Este país foi construído com base na liberdade de expressão e na liberdade de religião”.

E Brian acrescentou: “Essas ameaças seguem um número recorde de ataques a igrejas, santuários e símbolos católicos nos últimos dois anos”.

Lei Roe vs. Wade

A Suprema Corte americana, de tendência conservadora, deve decidir sobre um caso que pode derrubar Roe vs. Wade, uma decisão judicial de 1973 que legalizou o aborto nos EUA.

Se a lei for revogada, cada estado dos EUA pode ter permissão para determinar suas próprias regras de aborto, com mais de 20 estados esperados para limitar o atendimento ao aborto ou até mesmo proibir o aborto na maioria dos casos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.